IVANZITO: de jogador a caster, a voz da comunidade

Cobertura

by PUBG Esports

De jogador a caster, passando por streamer dedicado à alta performance, Pietro “IVANZITO” Perazzone sempre teve uma enorme ligação com a comunidade de PUBG. O brasileiro, de 34 anos, que se destacou pela irreverência e pela capacidade empreendedora no cenário competitivo, hoje é comentarista nas transmissões das competições oficiais e se tornou a principal voz das Seletivas Abertas, como a da PUBG Continental Series 7 (PCS7) Américas, que está prestes a começar.

Morador de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, IVANZITO teve uma guinada na carreira, que vive excelente fase, inclusive com recorde de visualizações simultâneas do seu canal na Twitch na Seletiva Aberta da ESL PUBG Masters Américas: Fase 2.

Não é coincidência que alguém com tão íntima relação com a comunidade continue experimentando o sucesso, em uma função diferente da que inicialmente pensou para a sua vida, mesmo depois de cinco anos de estrada. 

IVANZITO começou a jogar em março de 2017, logo com a disponibilização do acesso antecipado ao PUBG, por influência de um amigo que conhecia o jogo e estava animado com a popularidade dele.

Com o histórico de ter competido no Counter-Strike em lan houses do Rio Grande do Sul, IVANZITO se interessou em competir no PUBG antes mesmo de haver competição. 

“Fui um cara muito competitivo e, na época, não existiam campeonatos, nem treinos, nem lobbies fechados para fazer simulação de torneio. O que a gente fazia na época? Jogava pelo ranking e tentava atingir o topo do ranking da América do Sul. Esse era o jeito que eu tinha para competir no PUBG“, relembra IVANZITO, contando que chegou ao top 5 do servidor logo nos três primeiros meses. “Em junho ou julho eu já comecei a aparecer no topo do ranking e sempre disputando, sempre no top 5”.

Quando os primeiros campeonatos, ainda amadores, passaram a surgir, IVANZITO não perdeu tempo e criou o próprio time, contando com jogadores que conheceu dentro da comunidade daquela época. 

De janeiro de 2018 a março de 2021, IVANZITO participou de todas as competições regionais oficiais, inclusive a partir dos classificatórios abertos, e em parte deles com a Laranja Mecânica, uma equipe criada pelo próprio jogador. IVANZITO adotou o nome por ser fã do futebol da Holanda, cuja seleção, em 1974, encantou o mundo e ficou conhecida justamente como Laranja Mecânica. A tag só deixou de ser utilizada quando a equipe eventualmente representava uma organização de esports.

Curiosamente, a Laranja Mecânica (a do PUBG) contava com enorme torcida, superando times e clubes mais conhecidos.

“A torcida era muito forte, estava sempre presente nos torneios. A gente olhava no chat das transmissões dos campeonatos, só dava bandeira da Laranja Mecânica. Tinha enquete para ver qual era a maior torcida, sempre dava ali 70%, 80% para Laranja Mecânica. Era a maior torcida enquanto a Laranja Mecânica estava atuando no cenário competitivo. Isso nos motivava para manter o nome, a bandeira, o logo”, conta IVANZITO.

Essa popularidade se dava não devido à performance, como no caso da seleção holandesa de futebol, mas sim ao próprio IVANZITO, um cara da comunidade. Ele já fazia lives desde quando começou no PUBG e só aumentou a frequência das transmissões com o passar do tempo. 

“Como eu fazia live, o pessoal começou a curtir meu estilo de jogo, meu estilo engraçado. Eu sou um cara que, quando tem que berrar, eu berro, eu levo susto, eu grito, eu sou um cara muito bem doidão nas lives, bem natural. O pessoal se identificou, curtiu isso em mim, e começou a crescer torcida a partir disso, dessas minhas lives bem competitivas. Eles perceberam que eu sempre jogava mesmo fora de torneios, eu jogava matchmakings para vencer, bem tryhard”, analisa IVANZITO. “O pessoal se identificava bastante comigo e abraçou a equipe”.

Para o ex-jogador, aliás, o sucesso das streams o ajudou na carreira como profissional profissional, algo que, para além das lives, sempre curtiu ser. 

“Eu ter dado a cara na stream para o pessoal me conhecer melhor, conhecer como era o IVANZITO, ajudou bastante para criar uma torcida para a minha equipe”, destaca. “O bom de fazer live é tu sentir que está agradando quem está te assistindo. Isso só me motivava”.

O carisma e o conhecimento de jogo o fizeram ser convidado a participar da transmissão oficial em português do PUBG Global Invitational.S (PGI.S), disputado no início de 2021. Até receber o convite, ainda em 2020, IVANZITO confessa que nunca tinha pensado em ser caster, mas aceitou o desafio. 

“Foi uma surpresa, mas eu pensei que seria só para aquele evento, O PGI.S, por conta do intervalo muito grande sem torneios que iria ter aqui na região. Pensei ‘me chamaram para ser caster’ do PGI.S só por conta dessa pausa que terá no competitivo da América Latina. Terminou o PGI.S e me chamaram de novo. Foi aí que tive de tomar uma decisão”, recorda-se IVANZITO. 

Colocado na encruzilhada de escolher entre ser jogador ou comentarista em março de 2021, IVANZITO escolheu a segunda opção.

“Eu pensei assim: eu vou estar envolvido no competitivo. Estarei com o PUBG, que é o jogo que eu mais amo, e comentando torneios oficiais. Eu vou estar no meio competitivo ainda”, conta IVANZITO, que se tornou a voz da experiência competitiva em alto nível nas transmissões.

“Um ponto forte meu para comentar ali na hora é a experiência. Como eu já joguei competitivamente e durante todos os anos anteriores antes de começar a comentar, eu peguei tudo do competitivo. Eu consigo interpretar as movimentações das equipes dentro do lobby. Eu vejo ali no mapa: ‘por que será que a equipe X moveu no timing Y para a posição Z?’ Eu consigo entender o que o IGL da equipe está pensando. Eu tenho mais facilidade para fazer interpretações das jogadas das equipes no lobby”, explica. 

O hoje caster admite que teve dificuldades nas primeiras transmissões, sem jogar e conversar com os espectadores ao mesmo tempo, como estava acostumado nas lives pessoais. Mas hoje, embora ainda continue em evolução, se sente mais confortável em ser comentarista. Ou analista, como prefere ser chamado.

“Eu falo que eu não sou um comentarista. Eu estou ali comentando o que eu sei do PUBG, que é um jogo que eu conheço muito bem. Mas eu não sou um comentarista. O Neves é um narrador que pega qualquer jogo e narra muito bem. Eu estou mais para analista ali”, contextualiza. 

Seja como for, IVANZITO se diz contente com o momento da carreira e o retorno do público. 

“Muitas vezes os meus comentários dentro da transmissão oficial agregam muito a quem está querendo entrar no competitivo, porque fazem começar a pensar como eu estou pensando nas análises. O pessoal vem e me agradece, isso é uma coisa que me motiva”, pontua.

Como um cara da comunidade, IVANZITO se tornou ainda a principal voz das Seletivas Abertas, por onde passam muitas equipes de amigos ou de quem almeja um lugar ao sol no competitivo. O interesse por essa fase da competição, que não tem transmissão oficial, cresceu a tal ponto de bater o recorde de audiência simultânea no canal de IVANZITO na Twitch. 

“O que atrai é o pessoal querer acompanhar desde o início do processo dos principais torneios. Também tem aquela resenha, o humor, eu sempre convido uma pessoa, o moderador ali do meu canal, que é bem engraçado. Quando está muito parado, a gente faz umas piadas e tal. Isso também diverte o pessoal e agrega bastante. Tem muito também de pessoas que querem competir, mas não sabem como começar, não têm o básico. E quando a gente comenta ali as jogadas dos jogadores do lobby, as pessoas vão pegando isso para, quando forem competir, utilizarem. É meio que educativo“, avalia IVANZITO sobre a popularidade das transmissões das Seletivas Abertas sob seu comando.

Na PCS7 Américas, a competição que encerra a temporada regional de 2022, IVANZITO estará novamente à frente das transmissões da Seletiva Aberta da América Latina, cativando o público e estreitando ainda mais os laços com a comunidade que ajudou a criar cinco anos atrás.

Compartilhar Isso